O que é dislexia?

por: Entretanto

Definida como um distúrbio ou transtorno específico de aprendizagem na área da leitura associado a uma dificuldade na escrita e soletração, a dislexia é o distúrbio de maior incidência nas salas de aula. Pesquisas realizadas em vários países mostram que entre 5% e 17% da população mundial é disléxica.

 

Ao contrário do que muitos pensam, a dislexia não é o resultado de má alfabetização, desatenção, desmotivação, condição socioeconômica ou baixa inteligência, mas sim uma condição hereditária por alterações genéticas, que apresenta ainda alterações no padrão neurológico. Alguns sinais da dislexia:

 

1) Educação Infantil

 

• Dispersão;
• Fraco desenvolvimento da atenção;
• Atraso no desenvolvimento da fala e da linguagem;
• Dificuldade em aprender rimas e canções;
• Fraco desenvolvimento da coordenação motora;
• Dificuldade com quebra-cabeças;
• Falta de interesse por livros impressos.
• Memória imediata e operacional prejudicadas;
• Dificuldade em nomear objetos e pessoas (disnomias);
• Dificuldade com direita e esquerda;
• Dificuldade em organização;
• Aspectos afetivos emocionais prejudicados.

 

2) Ensino Fundamental I e II

 

• Dificuldade na aquisição e automação da leitura e da escrita;
• Pobre conhecimento de rima (sons iguais no final das palavras) e aliteração (sons iguais no início das palavras);
• Desatenção e dispersão;
• Dificuldade em copiar de livros e da lousa;
• Dificuldade na coordenação motora fina (letras, desenhos, pintura, etc.) e/ou grossa (ginástica, dança, etc.);
• Desorganização geral, constantes atrasos na entrega de trabalhos escolares e perda de seus pertences;
• Confusão entre esquerda e direita;
• Dificuldade em manusear mapas, dicionários, listas telefônicas, etc.;
• Vocabulário pobre, com sentenças curtas e imaturas ou longas e vagas;
• Dificuldade na memória de curto prazo, com instruções, recados, etc.;
• Dificuldades em decorar sentenças, a sequência dos meses do ano, alfabeto, tabuada;
• Dificuldade em matemática (na compreensão do enunciado e para memorizar a sequência da tabuada) e no desenho geométrico;
• Trocas, inversões, omissões de letras, aglutinações e separação de sílabas na escrita;
• Dificuldade no aprendizado de uma segunda língua;
• Problemas de conduta como: “palhaço” da turma, agitação, inquietação;
• Como decorrência das dificuldades escolares pode surgir depressão, baixa autoestima, ansiedade;
• Bom desempenho em provas orais.

 

3) Idade Adulta

 

• Continua a dificuldade na leitura, escrita e compreensão de texto;
• Memória imediata e operacional prejudicadas;
• Dificuldade em nomear objetos e pessoas (disnomias);
• Dificuldade com direita e esquerda;
• Dificuldade em organização;
• Aspectos afetivos emocionais prejudicados, trazendo como consequência: depressão, ansiedade, baixa autoestima e algumas vezes, desvio para as drogas e álcool.

 

O fato de apresentar alguns desses sintomas não indica necessariamente que a criança seja disléxica; há outros fatores a serem observados. Porém, com certeza estaremos diante de um quadro que pede maior atenção e/ou estimulação para uma futura avaliação.

 

Texto escrito por:
Maria Angela Nogueira Nico, Fonoaudióloga, Psicopedagoga, Vice-Presidente da Associação Brasileira de Dislexia.
Luiz Gustavo Varejão Simi, Psicólogo e Pesquisador da Associação Brasileira de Dislexia.

 


Conteúdo originalmente publicado em Pearson Clinical.

Receba nossa News