Ações de ocupação com crianças

por: Carolina Boccuzzi

Sair do espaço escolar nem sempre é tarefa fácil. Exige certa preparação, planejamento, autorizações, organização. Mas o que fazer quando as crianças querem ir para o outro lado do muro? Quando questionam sobre a praça em frente à escola, contam o que viram no caminho de suas casas até a sala de aula, quais pessoas encontraram e com quem conversaram.

 

O “Aqui tem criança!” surgiu dessa necessidade da minha turma de 2017 que sempre passava em frente a uma praça muito bem cuidada e a chamavam de praça do “Círculo Militar”. Realmente, o clube militar e o exército brasileiro ficam em frente dessa praça, mas por que essa praça não seria deles também? Por que não chamar a praça pelo seu verdadeiro nome “Praça Carlos Gardel?”

 

Talvez faltasse conhecer que aquele espaço público em frente à escola também era um espaço das crianças que ali frequentavam e que os moradores do bairro, transeuntes, trabalhadores da região, pudessem também saber que “aqui tem criança!” e que elas ocupam os territórios da cidade.

 

Assim, por sugestão das crianças, escolheram fazer desenhos e depois colar pela praça para que todos soubessem que eles tinham passado por ali. Colaram nos locais que mais lhe agradaram: no chão, nas arvores, nas grades, nos bancos… Essa foi nossa primeira ocupação que logo rendeu outras por vontade dos pequenos em que fizemos um piquenique naquele local e em outro momento fizemos lambe –lambe nos muros da escola.

 

Percebi que essas experiências foram significativas para minha turma, mas que essa vontade de ultrapassar os muros, não era nata apenas daquela turma de 2017. Neste ano, em um novo projeto e com novas crianças, decidimos fazer pão de queijo, assim como a avó, personagem do livro que estávamos lendo fazia para seu neto. E logo surgiram os questionamentos “Mas, prô, a gente precisa comprar os ingredientes. A gente precisa ir no mercado”. E lá fomos nós sair da escola novamente, ir até o mercado do bairro, comprar o que precisávamos para a receita e enfim fazer o pão de queijo na escola.

 

A curiosidade das crianças e a vontade de conhecer o mundo são grandes e fazer apenas o pão de queijo na escola não era o suficiente. Em uma de nossas rodas de conversa, eles disseram que outras pessoas tinham que conhecer o nosso pão de queijo, que foi renomeado para “pão gostoso” de tão bom que ficou, como eles mesmos disseram. Assim, fizemos uma carta contando um pouco dessa nossa experiência, dizendo os ingredientes necessários juntamente com os desenhos deles.

 

Leia mais: Toda criança é capaz de aprender.

 

Leia mais:  Como educar as crianças para um futuro que não sabemos como vai ser?

 

Em junho desse ano, ocorreu então a quarta ocupação do “Aqui tem criança!”. Fomos até a feira do bairro entregar a carta para as pessoas, mas segundo a sugestão da Isabella, 4 anos, tínhamos que oferecer o pão de queijo também e assim o fizemos. Conversaram com pessoas que passavam pela feira, com os feirantes, com os garis, com os montadores…Comeram mexerica e banana e ainda ganharam um monte para levar para casa! Tiveram que lidar com quem não queria conversar com eles ou comer o pão de queijo.

 

Foi uma das ações mais legais que já fizemos, tanto para mim, quanto para as crianças. Como o Emanoel, 4 anos me falou: “Hoje foi um dos dias mais legais da escola, Prô”. Foi um momento de integração da escola com o bairro, das crianças com a cidade e acima de tudo, um momento para os pequenos saberem que podem e devem caminhar pelas ruas deixando suas marcas.

Receba nossa News

A Educação é feita da união de conhecimentos. Preencha seu e-mail e receba nossos conteúdos atualizados!

*Não lote sua caixa de e-mail. Nossas newsletters são enviadas quinzenalmente e trazem um resumo dos melhores conteúdos publicados.